Se existe algo que nunca muda é que estamos sempre em processo de mudança. E nesse cenário de evolução constante, em questão de dias, uma nova tecnologia pode se tornar obsoleta e substituível. Devido a esse contexto, as lojas estão se preparando cada dia mais para atender os diversos tipos de consumidores. Diante desse ambiente inovador surge a questão, como serão as lojas?

Enquanto as lojas online impulsionaram o mercado brasileiro nos últimos anos, há quem prefira ter a sensação de ir até o estabelecimento para conhecer, sentir e avaliar o produto a ser adquirido. Por conta disso, não basta apenas investir no ponto de venda para atrair mais clientes, ou criar uma plataforma digital que facilite a busca e compra de itens desejados, o ideal é integrar os meios virtuais e físicos para envolver todos os tipos de clientes.

Algumas práticas acabam destruindo a vontade de trabalhar
Veja se você está fazendo errado e como pode melhorar!

cta_baixe_ebook_gratis_azul

Loja física x loja online

Comprar algo pela internet já deixou de ser uma novidade para os brasileiros, a diversidade de produtos e valores, somado a facilidade de receber uma compra na porta de sua casa sem precisar ir até uma loja, conquistou a confiança até dos mais conservadores. No entanto, não se pode criar uma relação do crescimento do e-commerce em detrimento das lojas físicas.

A Pwc Brasil divulgou um estudo sobre as formas de compras no Brasil durante os últimos cinco anos, segundo a pesquisa, 30% dos clientes encontram dificuldade em usar os dispositivos móveis para fazer compras. Outro dado importante é a semelhança na porcentagem dos compradores online e presenciais, nota-se que não há predominância dos meios virtuais.

Mesmo com a evolução intensa do e-commerce no Brasil, os consumidores estão preferindo cada vez mais ir até a loja para ter a sensação de tocar, sentir e conhecer presencialmente os itens que estão interessados. Este fator acaba sendo o principal na escolha entre os dois meios, e com isso, vem estimulando muitas lojas online abrirem estabelecimentos físicos.

A verdade é que não se deve criar uma disputa entre comércio virtual e físico, é essencial conseguir utilizar os dois ambientes trabalhando em sinergia com o intuito de oferecer diferentes opções para o comprador escolher qual é a mais vantajosa.

Integração dos meios digitais e lojas físicas

Atualmente o que as lojas estão buscando para abranger diferentes estilos de consumidores é a estratégia Omni Channel. Diferente do multi-channel, não se trata apenas de estar presente nas lojas físicas e virtuais, mas sim usar esses dois meios para se complementarem entre si, assim o cliente pode usar as informações presentes no ambiente online para auxiliar suas compras nos estabelecimentos físicos, ou vice-versa.

Com a integração desses meios é possível somar os benefícios presentes nas plataformas digitais, como a variedade de informação, a comodidade e a rapidez, com as vantagens do comércio físico, em que o cliente é capaz de ver os produtos pessoalmente e ter um atendimento personalizado. Não se trata de escolher entre um ou outro, mas sim unificar em uma única experiência, deixando o cliente definir o que é mais conveniente.

Experiência de compra

As mudanças constantes não estão presentes somente nos comércios, os consumidores também mudaram seus hábitos de consumo nos últimos anos. Ao comprar um produto, o cliente deseja ter não só a satisfação com o item em si, mas também tornar toda a jornada de compra uma experiência.

Nesse sentido é importante ressaltar que o atendimento personalizado é um ponto determinante para corresponder às expectativas dos clientes. Oferecer o mesmo tipo de atendimento no geral pode até agradar uma parte, mas não terá o mesmo efeito com todos. Enquanto alguns buscam uma relação pessoal com a marca, outros priorizam o imediatismo e preferem que o processo seja rápido e direto.

Para tornar o consumidor mais autônomo em sua jornada de compra, os comércios estão investindo na tecnologia Self-Checkout. O novo modelo consiste em instalar terminais de autoatendimento para que o cliente possa registrar e pagar suas compras sem a necessidade de passar por um atendente. O modelo tem ganhado bastante espaço no Brasil nos últimos anos e a tendência é crescer ainda mais.

Algumas práticas acabam destruindo a vontade de trabalhar
Veja se você está fazendo errado e como pode melhorar!

cta_baixe_ebook_gratis_azul

O que nos espera daqui para frente?

Não há como saber como serão as lojas daqui para frente, mas o fato é que os consumidores estão cada vez mais exigentes e buscam experiências diferentes na hora de comprar. A concentração de dados sobre o público alvo pode contribuir com o atendimento personalizado para cada tipo de cliente, tornando a jornada de compra mais satisfatória. A utilização dos dados permite um conhecimento mais aprofundado sobre as principais características do público, como suas vontades, seus medos, seus costumes, e outros fatores.

O que se pode esperar das lojas é uma integração cada vez maior dos elementos presentes nas lojas online e físicas, funcionando juntas proporcionando autonomia para o cliente decidir como serão os passos de sua aquisição. De qualquer forma não se pode deixar de lado a importância do fator humano, independente da mudança é indispensável ter uma equipe preparada para atender da melhor maneira possível. Para isto a Casting oferece as melhores soluções para o seu varejo estar sempre atualizado em frente ao mercado.

Se esse artigo foi útil para você, acesse o site da SER e siga nas redes sociais para ter acesso aos principais conteúdos relacionados ao varejo.