5 dicas para uma boa política de remuneração

2020-11-23T12:24:56-02:0029 maio, 2017|Gestão de Remuneração|

Descubra como a política de remuneração ajuda a garantir a retenção e contratação de talentos na sua empresa.

As empresas que desejam reter os seus maiores talentos e criar uma cultura de valorização dos profissionais precisam implementar uma boa política de remuneração. Isso porque o mercado está bastante competitivo e as organizações cada vez mais ávidas por colaboradores especializados, o que, devido à escassez, faz com que elas usem diferentes estratégias para recrutá-los — dentre elas, o salário.

Sendo assim, a política de remuneração passou de um custo desnecessário para instrumento estratégico empresarial obrigatório. É uma ferramenta motivacional capaz de influenciar na decisão de um profissional sobre ficar ou não em uma empresa. O fato é que não adianta estabelecer uma remuneração sem critérios, dando margem a arbitrariedades dentro das organizações.

As empresas precisam definir uma política de remuneração adequada e preparada para poder ajustar ao longo dos anos, visando garantir a permanência dos profissionais que nela trabalham. Por isso, criamos esse artigo visando ajudá-lo no estabelecimento de uma política de remuneração adequada. Continue a leitura e confira as nossas dicas!

Entendendo a política de remuneração

Em uma organização, o sistema de remuneração é parte da política de recursos humanos e precisa estar em consonância com os seus objetivos estratégicos. Com uma boa política de remuneração, a empresa é capaz de motivar seus profissionais e impactar positivamente na sua produtividade.

É de grande importância a política de remuneração estar contida dentro do planejamento estratégico da empresa, visto que é um dos principais fatores motivacionais para o cumprimento da missão e concretização da visão da empresa. A remuneração sendo estratégica esta diretamente relacionada aos resultados da organização.

As pessoas trabalham em função de certas expectativas e retornos. Elas estão dispostas a se empenharem às suas atividades e metas desde que isso traga algum benefício significativo, devido ao esforço e dedicação. Por isso, se torna indispensável projetar sistemas de recompensas capazes de aumentar o comprometimento dos seus colaboradores.

Grande parte das empresas passou a investir em bonificações e prêmios para aqueles profissionais que apresentam resultados melhores e mais produtivos. Isso varia de negócio para negócio. Veja alguns tipos de abordagem na política de:

Remuneração funcional:

Estruturada a partir das condições financeiras da empresa e também na remuneração praticada no mercado, considerando os cargos da organização;

Remuneração por competência:

Considera uma análise dos conhecimentos, habilidades e atitudes que um profissional deve ter para ocupar determinado cargo. Além disso, tem a qualificação das competências como critério determinante;

Remuneração variável:

Relaciona o desempenho do colaborador à sua recompensa, se apresentando como uma abordagem considerada como ideal para empresas que buscam manter seus talentos e incentivar o desenvolvimento de habilidades e alcance de metas;

Remuneração estratégica:

Considera a produtividade do colaborador e retribui seus resultados através de comissões, participação nos lucros, entre outros;

Remuneração por habilidades:

Nesse modelo o reajuste salarial não está vinculado ao tempo na função, mas sim ao aperfeiçoamento das habilidades profissionais e sua aplicação nos projetos da empresa.

A construção de um sistema de remuneração requer cuidados, pois provoca mudanças na organização e forte impacto nas pessoas, bem como no desempenho de ambas. Os resultados são importantes para ter o retorno esperado e sucesso do negócio.


5 dicas para criar uma política de remuneração

A política de remuneração não é algo simples de criar, devido a dependência de alguns fatores. Por isso, separamos para você, algumas dicas. Veja a seguir.

  1. Coloque no papel todas as funções dos cargos

Em primeiro lugar no processo de criação de uma política de remuneração eficaz, é descrever todas as funções desempenhadas em cada cargo. Para isso, conte com a ajuda de gestores, coordenadores e analistas da área para fazer uma avaliação de cada cargo dentro da organização. Tal tarefa é fundamental, pois assim, você terá uma noção da complexidade de cada função.

É preciso avaliar as experiências, formação e requisitos exigidos para ocupá-la. A avaliação e classificação dos cargos auxiliam na construção de valor dos cargos, a fim de coloca-los em uma hierarquia de classes que serão base para a estrutura de salários.  Só assim será possível definir um salário e suas bonificações de maneira justa.

  1. Faça uma análise dos salários pagos no mercado

Em segundo lugar, como gestor você deve conhecer as dificuldades que o RH tem para conquistar os melhores talentos para a empresa. Além disso, é importante também conhecer a realidade de outras empresas no mercado — algumas oferecem uma série de benefícios aos colaboradores, o que pode fazer com que eles as prefiram.

Sendo assim, faça uma pesquisa de mercado detalhada. Conheça os salários pagos no mercado, pesquise o que os funcionários valorizam mais dentro dessas organizações, os benefícios e os diferenciais oferecidos por elas.
Dentro da perspectiva profissional, as pessoas estão sempre comparando o que contribuem para as organizações com o que elas recebem de retorno e comparam isso com o que mercado está praticando.

A empresa precisa colocar na balança os dois tipos de situação para manter consistência em sua estrutura salarial.

  1. Verifique se os salários são compatíveis com o orçamento da empresa

De nada adianta estabelecer uma política de remuneração que supervalorize os funcionários, e oferecer inúmeros benefícios, se a empresa não tem como arcar com isso em longo prazo. Aliás, isso pode até mesmo gerar problemas trabalhistas futuros, se você, por exemplo, não cumprir com o combinado ou atrasar pagamentos.

Sendo assim, busque o equilíbrio entre a valorização do capital humano e as condições financeiras da empresa. Assim, os funcionários que aceitarem o que foi determinado trabalharão conscientes e, à medida que a empresa for crescendo e obtendo maiores lucros, será possível aumentar os benefícios oferecidos.

Para mais, a empresa pode ficar com sua imagem comprometida devido ao não cumprimento das promessas feitas aos seus colaboradores.

  1. Não deixe de lados os benefícios

Ao longo deste artigo falamos algumas vezes sobre a questão dos benefícios. Eles são muito importantes e uma forma de complementar a política de remuneração, principalmente se as possibilidades da empresa não permitem oferecer salários altos.

O mercado moderno tem mostrado que os trabalhadores também buscam qualidade de vida, equilíbrio na vida pessoal e valorização da família. A partir disso, estabeleça os benefícios da sua empresa. Vale-refeição, auxílio-creche, assistência médica, bolsa de estudos, possibilidade de trabalho home-office, ambiente agradável (com mimos para os funcionários) são alguns dos exemplos do que conquistam um profissional talentoso.

O dinheiro é um fator que motiva muitas pessoas, porém as recompensas não-financeiras, também representam uma enorme oportunidade para as organizações motivarem seus colaboradores. Isso vai muito de quais valores estão no topo da cadeia de prioridades de cada um.

Além disso, os benefícios concedidos aos colaboradores possuem valor estratégico no que diz respeito ao processo de atração e retenção de talentos. A grande maioria das empresas está apostando em diferenciais como estes para comporem suas políticas de remuneração.

  1. Implemente a política de remuneração e saiba o que funciona melhor

É fundamental que a empresa não deixe apenas a política de remuneração no papel. Para isso, conte com toda a ajuda possível para fazer a implementação e não se esqueça de estabelecer os objetivos desejados com ela. Observe o que funciona, para que seja possível substituir por ações mais eficazes.

A medição dos indicadores e o seu alinhamento com as metas vão possibilitar o alcance dos resultados planejados, sendo possível determinar qual a melhor metodologia de remuneração deve ser desenvolvida de acordo com os requisitos pré-estabelecidos no planejamento estratégico da empresa.

A definição da metodologia de remuneração dependerá da análise estratégica e do diagnóstico organizacional que foi realizado. Para a utilização da política de remuneração há necessidade de um sistema de controle das informações necessárias, tais como desempenho, produtividade, entre outros.

Para tanto, será preciso definir as métricas de desempenho dessa nova política, a evolução do processo e deixar isso claro para todos os colaboradores que atuam na instituição, por meio de uma comunicação transparente.

Importância da política salarial

Por fim, a política de remuneração é essencial para refletir o propósito que o negócio representa em uma organização. É importante que os objetivos da empresa estejam alinhados com o que os colaboradores desejam alcançar em suas vidas profissionais.

Para qualquer companhia é essencial compreender a necessidade de reter talentos e que o envolvimento e engajamento de toda equipe traz grandes benefícios para o alcance dos resultados. Fica difícil definir a melhor política de remuneração quando há uma grande rotatividade na organização.

Com uma equipe de profissionais bem definida e confiável, o trabalho do RH no estudo do perfil geral fica mais claro e seguro, permitindo que a gestão desenvolva qual a melhor forma de beneficiar seus profissionais. Por isso, a política de remuneração é uma estratégia essencial, para aumentar a competitividade da empresa frente ao mercado de trabalho e valorização profissional.

Com uma comunicação eficaz do que é esperado de cada colaborador e quais são as possibilidades para que as metas sejam conquistadas e superadas, é possível incentivar o alcance dos vários tipos de remuneração estratégica, de modo que o profissional consiga um equilíbrio entre vida pessoal e profissional em um ambiente corporativo sadio, com remuneração altamente atrativa.

Ao envolver todos os seus funcionários nessa tarefa, ficará mais fácil implementar o projeto. Feito isso, você verá que criar uma política de remuneração não é tão difícil e que ela é essencial para manter o seu negócio competitivo. Depois de conhecer as nossas dicas, que tal compartilhar este artigo nas suas redes sociais? Ajude outros gestores que ainda têm dúvidas sobre o assunto!

Deixar um comentário

Ir ao Topo