Método SMART: como usar essa poderosa ferramenta para traçar metas?

2019-05-14T11:31:50-02:0013 setembro, 2018|Gestão de Metas|

Específica. Relevante. Sucinta. Quais são as características que fazem parte de uma boa meta? O método SMART deixa isso muito claro. Quer descobrir mais? Continue a leitura!

Boas metas funcionam como uma bússola, dando a direção certa à equipe: sem elas, os riscos são diversos e todo o negócio pode ser afetado. Apesar da sua importância, vários líderes ainda têm dificuldades em definir metas relevantes, objetivas e pragmáticas.

Por causa disso, o método SMART tem ganhado destaque em todo o mundo desde a sua criação. Consiste em um acrônimo de 5 palavras do inglês que representam metas: específicas, mensuráveis, alcançáveis, relevantes e com tempo muito bem definido.

Hoje, vamos explicar cada uma dessas características e dar dicas para aproveitá-las ao formular as metas do seu time. Portanto, continue a leitura. Vamos lá!

Specific (Específica)

A primeira característica está relacionada ao nível de clareza da meta, isto é, o quanto é possível compreendê-la. Algumas metas contam com uma descrição tão carente que parecem não fazer sentido. Por exemplo: “aumentar o volume de vendas em abril”.

Aumentar em quantos por cento? Até que dia de abril? Quem é o responsável? Que produto deve ser vendido? Há um enorme espaço para interpretação e, portanto, falta especificidade. Assim, seja específico. Minucioso. Preciso. Claro. Meticuloso!

Measurable (Mensurável)

Por vezes, falta um critério quantitativo adequado às metas. “Ok. É preciso aumentar a produção, mas em quantos quilogramas-dia?”. Não ter números que determinam o que deve ser feito é como iniciar uma corrida sem linha de chegada.

Toda meta deve ser mensurável o suficiente para que o time e o líder saibam se estão longe ou próximos do resultado final. Assim, poderão manter ou mudar a estratégia, investir na aquisição de recursos que facilitem o trabalho ou até modificar a meta no futuro.

People Analytics
Entenda tudo sobre esta tendência!

cta_baixe_ebook_gratis_azul

Attainable (Alcançável)

Como um critério de gestão da qualidade total (TQM, do inglês), algumas empresas estipulam metas impossíveis de se atingir. Por exemplo: erro zero. O que era para ter efeito motivador, induzindo a equipe, acaba por desanimar a todos (afinal, no fundo, sabem que o que está sendo pedido é impossível).

Definir metas desafiadoras ou difíceis ao extremo é um equívoco. Antes, opte por algo obstinado e visto como plausível pelos colaboradores. Para tanto, estabeleça metas baseadas no resultado de meses e relatórios anteriores.

Relevant (Relevante)

Outros gestores vão ao extremo oposto: definem metas fáceis demais e que não impactam no crescimento do negócio ou de área específica. Isto é, a meta não é relevante o suficiente para provocar o crescimento, a rentabilidade ou o sucesso. Portanto, defina metas relevantes, que sejam úteis ao crescimento do time e da empresa.

Time-based (Baseada no tempo)

O método SMART também diz que toda meta deve ser baseada no tempo, ou seja: ter data para início e fim. O período de uma meta varia de acordo com cada negócio e objetivo proposto. Algumas são diárias, enquanto outras são mensais ou até anuais.

O mais indicado é ter metas de curto prazo, por exemplo, mensais. Metas longas demais correm o risco de serem esquecidas e perdem sua eficácia com o tempo. Metas de curto prazo são mais intensas e podem ser perseguidas por todos no momento presente.

Agora você já sabe como definir uma boa meta. Ela será muito útil para alinhar a equipe, motivar e conduzir ao alcance de resultados fora da curva.

Gostou das nossas dicas sobre o método SMART, certo? Aproveite para assinar nossa newsletter e receber nossas novidades diretamente em seu e-mail!