On Boarding e a Avaliação de Experiência feita por ferramenta

2021-01-12T12:03:16-02:0017 setembro, 2018|Gestão de Pessoas|

On Boarding e a Avaliação de Experiência feita regularmente através da ferramenta auxilia na decisão de efetivar ou não um funcionário?

 O trabalho de uma organização no que diz respeito a aquisição de um novo funcionário não termina quando se fecha a contratação. Uma das tendências que vem crescendo no mercado é o uso do On Boarding e a Avaliação de Experiência.

On boarding é o termo utilizado para designar o processo que tem como intuito capacitar e familiarizar os colaboradores recém-contratados das organizações. A idéia é reduzir o tempo que o colaborador leva para se adaptar e atingir o seu máximo potencial como profissional. Então, é fundamental trabalhar com determinadas ações, como a integração com o time, imersão cultural (o colaborador precisa ter claro os valores, visão e missão da empresa), criação de uma forte conexão da equipe para a recepção do novo colaborador e a utilização de ferramentas digitais para entender melhor as características individuais do profissional.

O processo é crucial para evitar interpretações erradas sobre as atividades e posicionamento da empresa, ter alto aproveitamento e produtividade e, principalmente, diminuir a taxa de turnover.

Passou no processo seletivo, e agora?

É bastante comum a contratação de profissionais por um prazo determinado (modelo de contrato regulamentado pela Consolidação das Leis Trabalhistas). Portanto, estipula que a organização pode testar as aptidões de um funcionário para a vaga por até 90 dias antes de efetiva-lo. A avaliação do período de experiência costuma ser um momento crucial tanto para o profissional, quanto para a empresa, pois um candidato pode até se sair bem durante o processo seletivo, mas são necessários alguns meses para definir se ele atende às necessidades e expectativas da organização e, principalmente, se ele está qualificado.

guia avaliação de desempenho

A avaliação de experiência feita regularmente, com o auxílio da ferramenta tecnológica, facilita a mensuração da qualidade do trabalho do colaborador, bem como se possui o domínio dos conhecimentos técnicos, habilidades interpessoais, de comunicação, liderança e todas as demais pertinentes à sua ocupação. Além disso, fatores comportamentais como pontualidade, respeito aos prazos, regras e hierarquias também avalia-se. Dentro de 90 dias, existe a possibilidade de que os dados colhidos não sejam precisos para a geração de um feedback final e possível efetivação.

Desta forma, se o gestor tiver a oportunidade de realizar uma avaliação após 45 ou 60 dias, ele terá a oportunidade de alinhar os resultados obtidos até aquele momento e direcionar o funcionário antes de realizar uma avaliação definitiva, na finalização dos 90 dias de experiência. Com isso, o gestor poderá acompanhar as características e possíveis mudanças comportamentais e profissionais do candidato que poderá ocupar uma vaga em sua equipe. Ao final desse processo, o gestor terá subsídios necessários para avaliar o profissional e decidir sobre sua efetivação.

É de grande importância o momento da empresa

Para mensurar o desempenho do colaborador, é importante avaliar o momento da empresa. Se a mesma deu as condições para que o colaborador  demonstrasse seu potencial. Em suma, isso quer dizer verificar se o gestor orientou o funcionário de maneira correta, se a infraestrutura para executar seu trabalho e também se a equipe o recebeu abertamente.

Nesse cenário, o uso da tecnologia ganha destaque por democratizar e humanizar os processos que, com o tempo, acabaram se tornando mecânicos e burocráticos. Uma vez que o torna mais rápido, facilita a mensuração dos resultados e a confiabilidade de dados.

Ir ao Topo