7 dicas para preparar seus líderes para um feedback negativo eficiente

2020-12-14T11:51:23-02:007 junho, 2018|Gestão de Pessoas|

O feedback é uma das mais importantes estratégias na liderança de equipes, mas é necessário dar feedback negativo também.

O feedback é uma ferramenta utilizada pelo gestor para direcionar o desenvolvimento do colaborador, fazendo apontamentos de comportamentos, atitudes e ações positivas e negativas. Mas, não adianta falar apenas dos pontos fortes dos liderados: é preciso focar, prioritariamente, nos pontos de melhoria. Ou seja, é crucial dar feedback negativo para promover desdobramentos positivos na carreira do colaborador.

O problema é que o feedback negativo acaba sendo um momento de angústia para o gestor, pelo risco que existe do colaborador não entender e sair desse encontro desmotivado. E isso se deve ao conceito mal interpretado dessa ferramenta.

Mas, apesar dessa má interpretação e da pouca aceitação, o feedback negativo é de suma importância. Ele garante corrigir ou eliminar certos comportamentos. Sua intenção é a correção e o esclarecimento dos comportamentos negativos, e não a punição.

No intuito de melhorar sua recepção e preparar líderes e gestores para usar essa ferramenta de maneira eficaz e construtiva, nós separamos abaixo algumas dicas que podem te auxiliar na aplicação do feedback negativo. Entenda como!

1. Realize reuniões one-to-one

O feedback é um momento particular com seu colaborador. Então, agende uma reunião on-to-one com o talento, onde apenas os dois estarão presentes. Reserve um tempo adequado e com antecedência, comunique ao funcionário o dia, horário, local e sobre o que discutirá. Respeite a privacidade e o direito que a pessoa tem de errar.

Esse tipo de reunião de feedback deve ser comum na equipe. Ou seja, quanto mais encontros você tiver com sua equipe para alinhar os pontos a trabalhar, mais natural será a aceitação do feedback negativo.

É importante que você não espere esse encontro para reforçar os comportamentos positivos e acertos da equipe. Elogiar e reconhecer os avanços, pode e deve ser feito em todo o tempo. Na dúvida, sempre realize o feedback negativo em particular e elogie o colaborador em público. Essa tem sido a fórmula ensinada por muitos especialistas em gestão de pessoas. Assim, é possível evitar qualquer constrangimento público.

Comunicação interna

2. Mantenha o equilíbrio entre críticas e elogios

Em sua essência, o feedback negativo é um momento para falar dos pontos de melhoria do profissional. É cada vez mais comum, no entanto, equilibrar elogios no início e no término do diálogo — assim, o profissional mantém-se mais receptivo.

Quando um líder fala apenas dos problemas dos seus liderados, passa a impressão de que não enxerga o lado bom. Isso é muito prejudicial à relação líder-liderado, bem como para o espírito de equipe e a obtenção de melhores resultados no futuro.

Manter esse equilíbrio reforçará a confiança da equipe em sua liderança e não passará a impressão de que o feedback negativo é um encontro punitivo e ameaçador.

3. Evite falas que desmotivem

Alguns pontos não devem ser tocados em nenhuma conversa, mesmo no feedback negativo. Evite a qualquer custo, comparações entre um profissional e seu colega de trabalho. Esse tipo de conduta pode gerar conflito e ressentimento.

Além disso, também se deve evitar o uso de frases limitativas, como “não há jeito” ou “é melhor desistir”. Lembre-se sempre que o intuito do feedback negativo é promover engajamento na execução de mudanças que promovam comportamentos de excelência.

4. Tenha uma base sistêmica para a conversa

O feedback negativo não deve ter como único referencial o ponto de vista do líder — que, diga-se de passagem, pode estar errado ou contaminado por opiniões pessoais. Sendo assim, é preciso conversar com base em análises de desempenho feitas com antecedência.

Então, levante as métricas de desempenho do profissional que vai receber o feedback, como por exemplo o nível de assiduidade, o número de metas batidas ou o percentual de satisfação dos seus clientes. Esses dados são fontes muito mais seguras para o feedback. Como resultado, seu colaborador terá mais facilidade de aceitar o feedback negativo.

Comunicação interna

5. Não foque na pessoa, foque nos comportamentos

O feedback negativo tem a ver com comportamentos errados observáveis. Ou seja, ele deve descrever e levar em consideração os comportamentos e ações que podem ser apontados e devem ser mudados. Sua função não é fazer julgamentos ou tratar o colaborador com preconceitos.

É importante que um feedback negativo ou corretivo seja dado, logo após a observação do comportamento a transformar. Dessa forma fica mais fácil o reconhecimento do evento e a tomada de uma atitude proativa em relação à mudança.

6. Feedback não é um debate

Feedbacks negativos são oportunidades de aprendizados profissionais. Por isso, vale a pena usa-los de maneira responsável e comprometida. Não tente ganhar uma discussão com seu colaborador. Esse não é um momento de medir forças ou buscar ter razão. Acima de tudo, o momento do feedback negativo, tem como objetivo ajudar seu colaborador no reconhecimento dos pontos de melhoria.

É preciso que esse momento seja feito de forma ética e com tato. Entenda o momento profissional que seu colaborador está vivendo, e busque traçar com ele, objetivos que sejam possíveis alcançar, para que ele se sinta motivado a buscar as mudanças e melhorias.

7. Seja claro e objetivo

Por fim, é preciso ter clareza e objetividade. Não adianta usar termos rebuscados com operários que têm pouca ou nenhuma instrução acadêmica, por exemplo. A linguagem deve ser a mais clara possível, considerando o nível de conhecimento do receptor do feedback negativo. Sendo assim, obtenha melhores resultados.

Certifique-se que seu colaborador entendeu o que foi colocado e principalmente, esteja disponível para auxilia-lo no processo de mudança. Uma dica é oferecer Treinamento Comportamental para seu colaborador.

O feedback negativo termina com um compromisso de ambas as partes de buscarem as mudanças necessárias para o desenvolvimento da equipe. O mais importante é que ambas as partes entendam que todos saem ganhando, quando o processo de mudança e crescimento é levado a sério.

Todas essas dicas devem ser repassadas, na forma de treinamento, para os líderes da empresa. Eles são os principais responsáveis pelo desenvolvimento dos seus subordinados e, por isso, devem aprender a gerar feedback negativo com qualidade e consistência.

Quer saber como preparar sua liderança para melhorar a Gestão de Pessoas? Entre em contato conosco e saiba como a solução da SER pode ajudar!

Ir ao Topo